Retornando a Khitus! 1


E agora, com o iminente relançamento da campanha de financiamento coletivo e o lançamento do Livro do Mundo, voltamos com os previews de Dragon Kings!

Vamos ver um pouco das cidades que se espalham pelos quatro cantos do mundo decadente de Khitus, e para começar, nada melhor que Ormas, uma das cidades mais violentas existentes desde o desaparecimento dos Dragon Kings.

Ormas

Ormas é uma cidade às vésperas da revolução. Nessa cidade prajalu que fica no extremo oeste e sofre por conta das Grandes Represálias que dizimaram sua realeza, uma cultura humana decadente forçou seu povo ao extremo, e agora a cidade enfrenta assassinatos, violência, roubo, vício e quase todas as formas de excessos extremos. Ormas é a inumanidade da própria espécie humana escrita em caixa alta, servindo como um exemplo de por que o povo nunca pode permitir que um salteador se torne o líder com promessas de mudança.

O chefe upanya Khanik Thyn ofereceu ao povo um vislumbre da esperança de que ele poderia mudar a estrutura de uma cidade construída em cima do sangue de milhares de escravos. Khanik fomentou dissidência contra um governante justo porém avarento,  liberando um ódio antigo e reprimido que varreu as ruas marrons da cidade como uma tempestade. Esse levante arruinou diversas áreas da cidade e levou à quase mil mortes em uma noite movida a fúria. Prometendo uma nova era para o povo de Ormas, ele fez votos de parar qualquer ameaça à “nova ordem de Ormas.” Mantendo sua palavra, o brutal senhor da guerra decapitou publicamente o governante e trancafiou ou executou praticamente qualquer um ligado ao velho governo. Antes que as turbas percebessem que ele não os estava levando à sua liberdade, Khanik Thyn se coroou no trono e usou seus saqueadores para assegurar seu poder pela força. Após um único dia de Khanik no trono, muitas centenas morreram enquanto “ameaçavam a nova ordem de Ormas.”

Nos últimos doze anos, Khanik tem governado com um punho de ferro tão firme que o povo está novamente se aproximando de seu ponto de ruptura. Qual seria o catalizador que poderia liberá-los, ninguém sabe, mas qualquer mudança vai custar muito a Khanik e seus seguidores. O povo de Ormas buscou liberdade, apenas para ter que enfrentar a seu reinado desprezível e a transformação de sua cidade em um paraíso para salteadores.

Os Mantos Negros são a polícia secreta de Khanik e seus principais oponentes são os rebeldes ocultos coletivamente conhecidos como a Lança da Liberdade. Eles são uma ramificação dos Unnata, ou o tribal Conselho dos Primeiros Filhos. Rumores dizem que o líder da Lança é uma mulher que perdeu toda sua família para a traição de Khanik. Muitos poucos sabem que ela já foi um Manto Negro, o que torna a traição de Khanik mais dolorosa e sua vingança mais doce. Ela e seus rebeldes fazem tudo o que podem para tornar a vida de Khanik e seus seguidores em Ormas, miserável. Sua mão está estendida para os bravos guerreiros que queiram auxiliar sua causa.

Em breve, Paquiodon, uma das mais prósperas e a cidade mais populosa de Khitus…